Você sabe o que é Bookcrossing?

Você sabe o que é Bookcrossing?

Trata-se da prática de perder, voluntariamente, um livro. Isto é, deixa-se um livro em um local público para que alguém o encontre e, quem sabe, aproveitá-lo tanto quanto você?

Eu convido todos os companheiros deste grupo a fazerem um bookcrossing Espírita, isto é, que libertem seus livros espíritas da prateleira para que possam percorrer o mundo e, quem sabe, fazer a diferença na vida das pessoas!? Já dizia o velho ditado: Livro na prateleira não ensina ninguém!

Até o momento, eu libertei 71 livros da minha coleção pela minha cidade (uberaba-MG), principalmente pelas praças públicas e pelo Campus da Universidade… Que tal fazer o mesmo?

Se você quiser conhecer os livros que já libertei, acesse: http://www.bookcrossing.com/mybookshelf/montes/all?&page=1 

Site oficial do movimento: www.bookcrossing.com
Site Brasileiro: www.bookcrossing.com.br

Vamos?

Espiritismo é Cristão?

img_jesus_kardec

Num grupo do ex-falecido Orkut, uma pessoa perguntou se o Espiritismo poderia ou não ser considerado um tipo de Cristianismo. Abaixo, minha resposta:

“Quando falamos em Espiritismo e Cristianismo, temos que saber se estamos falando de uma ligação identitária ou religiosa. Como entidade religiosa, certamente o Espiritismo não é Cristão, pois considera-se Cristão somente as derivações religiosas cuja fonte seja a Bíblia e não é o caso do Espiritismo.

Do ponto de vista identitário, sim, pode-se dizer que o Espiritismo seja Cristão. É a isso que Kardec se referia ao falar do “verdadeiro” Espírita ou Cristão, isto é, aquele que está moralmente ligado à ideologia Cristã, etc”.

No desenrolar do tópico, uma outra pessoa escreveu:

Não era pra ser mais é, Allan Kardec deu mole ao adotar o cristianismo como o principal segmento moral da doutrina espírita.

Em relação ao comentário acima, respondi:

Acho que era inevitável. No livro: O Livro dos Espíritos e sua tradição Histórica e Lendária, Canuto de Abreu faz uma apreciação interessante quando mostra que o Bispo de Paris analisou O Livro dos Espíritos antes da sua publicação, pois esta era a norma. A inquisição não tinha na França a mesma força que na Espanha, mas ainda tinha o poder de vetar obras.

Então, pense: Os espíritos precisavam trazer conceitos morais. O ensino mais completo para isto era o de Jesus, através dos evangelhos. Entretanto, como sabemos, a moral é universal e não Crística, sendo este apenas aquele que a representou mais completamente sobre a Terra… Pois bem, eles teriam que dizer a mesma coisa que Jesus sem fundamentarem-se em seus evangelhos? O que você acha que iria acontecer? Eu acho que se assim tivesse sido, o Espiritismo seria um natimorto.

Vale lembrar, contudo, que embora Kardec (e os espíritos) tenham feito uma aproximação identitária entre Cristianismo e Espiritismo (em sentido restritamente moral, como ressalta Kardec na introdução de O Evangelho Segundo o Espiritismo), isto só assume contornos de uma religião no Brasil, processo que, a meu ver, foi fundamental para sobrevivência do Espiritismo no Brasil e marca, definitivamente, uma cisão entre a ideologia espírita Francesa (não-religiosa) e a Brasileira (religiosa).